logotipo iba

O tratamento das partes estrangeiras no processo civil austríaco: prestação de segurança para despesas processuais

O Código de Processo Civil austríaco (Zivilprozessordnung, a seguir "ZPO") regula as custas do processo civil na Áustria. Como regra geral, as partes em litígio pagam as custas em que incorrem pelo seu envolvimento no processo e, em princípio, a parte vencedora acaba por ser condenada nas suas custas.

A parte prevalecente que procura executar uma decisão sobre custos contra uma parte estrangeira (isto é, uma parte sem nacionalidade austríaca ou com residência habitual fora da Áustria) pode ter dificuldade em fazê-lo se a parte estrangeira não possuir quaisquer bens na Áustria contra os quais a decisão sobre custos possa ser executada.1 A parte prevalecente seria assim obrigada a procurar a execução de uma decisão de um tribunal austríaco no estrangeiro, o que poderia potencialmente levar a mais dificuldades.

Para assegurar que os custos do processo possam ser reclamados pela parte prevalecente, o § 57(1) do ZPO estipula que se uma parte estrangeira numa disputa aparecer como requerente perante um tribunal austríaco com uma reclamação decorrente ou em conexão com as disposições do ZPO, então o requerente estrangeiro é obrigado - a pedido do requerido - a fornecer ao requerido uma garantia para os custos do processo. O objectivo desta disposição é assegurar a exequibilidade de qualquer reclamação potencial relativa aos custos.

A este respeito, o § 60(2) do ZPO determina o montante da garantia a ser prestada com base nos custos em que o arguido deverá razoavelmente incorrer durante o processo; cabe ao arguido justificar as suas despesas. Tais custos podem incluir honorários de advogados e judiciais, honorários de peritos e todos e quaisquer outros custos que surjam durante o decurso do processo. Contudo, é importante notar que os custos resultantes de possíveis pedidos reconvencionais não são considerados na determinação do montante da garantia dos custos.

Comente

Em teoria, as disposições acima servem para proporcionar um certo grau de estabilidade e responsabilização pelos custos dos processos judiciais na Áustria. Na prática, e dependendo da natureza de um litígio, a segurança a ser fornecida pode constituir um pesado fardo para o queixoso estrangeiro superar e pode, assim, funcionar efectivamente como uma barreira ao acesso à justiça na Áustria, prejudicando assim um queixoso estrangeiro perante os tribunais austríacos.

Para remediar esta eventualidade, o § 57(2) do ZPO prevê certas exceções que isentariam um demandante estrangeiro de qualquer obrigação de fornecer segurança para os custos. Em suma, não há obrigação para um requerente estrangeiro de fornecer segurança para os custos, se: (i) o requerente tiver a sua residência habitual na Áustria (§ 57(2)(1) ZPO); (ii) a decisão do tribunal austríaco sobre custos estiver sujeita à execução no estado de residência do requerente estrangeiro (§ 57(2)(1a) ZPO); (iii) o requerente estrangeiro dispuser de bens imóveis suficientes na Áustria (§ 57(2)(2) ZPO); e (iv) o objecto da reclamação for de natureza conjugal (§ 57(2)(3) ZPO).

A excepção à provisão de segurança para custos processuais consagrada no § 57(2)(1a) assegura que os requerentes estrangeiros são colocados em pé de igualdade - pelas leis e procedimentos judiciais existentes - com os seus homólogos austríacos no que diz respeito à questão dos custos processuais no sistema judicial austríaco.

A este respeito, um tribunal austríaco que apreendeu um pedido de um requerente estrangeiro nos termos do § 57(2)(1a) ZPO deve avaliar a exequibilidade de uma decisão sobre as custas de acordo com a lei do Estado do local de residência habitual do requerente estrangeiro.

O Supremo Tribunal austríaco na sua decisão em 2001 (OGH Rkv 1/01) - com base numa decisão anterior em 1997 (1 Ob 63/97i) - delineou as considerações gerais que devem ser avaliadas na determinação da aplicabilidade do § 57(2)(1a) do ZPO. O Tribunal decidiu que a lei nacional de execução e as disposições correspondentes dos tratados internacionais, incluindo o comportamento de execução do Estado (Verhalten des anderen Staats) no qual o requerente estrangeiro tem o seu local de residência habitual são decisivas na consideração da aplicabilidade do § 57(2)(1a) ZPO2. Em suma, o requerente estrangeiro que solicita uma isenção nos termos do § 57(2)(1a) deve ser capaz de demonstrar que uma decisão de um tribunal austríaco seria executória no seu local de residência habitual.

Conclusão

O Código de Processo Civil austríaco prevê um quadro para o tratamento dos custos processuais dentro do sistema judicial austríaco. Como regra geral, as custas do processo são atribuídas à parte prevalecente. Em resposta a uma queixa de um requerente estrangeiro, o requerido pode solicitar que o requerente estrangeiro deposite uma caução para os custos processuais que reflicta os custos processuais do requerido. Uma ampla exceção a esta regra é encontrada sob o § 57(2)(1a) do ZPO para decisões sobre custos que seriam executáveis no local de residência habitual do requerente estrangeiro. A este respeito, cabe ao requerente estrangeiro solicitar a excepção, demonstrando que a decisão dos tribunais austríacos é executória no seu local de residência habitual. Esta disposição, entre outras, prevê um certo grau de justiça e igualdade no tratamento das partes estrangeiras no sistema judicial austríaco.

1Para uma avaliação mais detalhada da definição do que constitui uma parte estrangeira para os fins do Código de Processo Civil austríaco, ver, por exemplo: Aspectos legais relativos às partes estrangeiras nos tribunais civis austríacos por Walter H. Rechberger, em "The Culture of Judicial Independence in a Globalised World", editado por Shimon Shetreet, Wayne McCormack. Brill Nijhoff, 2016, p. 263-4.

2Estas considerações foram recentemente corroboradas pela decisão do Supremo Tribunal Regional de Linz de Janeiro de 2020 (2 R 186/19t).